Tuesday, 16 October 2007

TV Pública: Mais que gerir lucros, um compromisso Social

Um grupo que estuda e discute as verdadeiras finalidades da TV pública no Brasil desde setembro do ano passado, concluiu que a TV brasileira deve ser cultural informativa, educativa, artística e inovadora. Essa é uma das visões abordadas pelo grupo e por Eugênio Bucci, presidente da RadioBrás, dirige duas rádios e comanda dois canais de TV no país. Ele afirma que a TV pública deve educar para a cidadania e dar voz a diversidade social e cultural do país.
Ainda em nas apresentações que ocorreram no 1° fórum das TVs públicas em Brasília, Bucci diz que o entretenimento faz parte dessa TV, desde que não seja regida pelas guerras de audiência nem pelos interesses comerciais. "A televisão pública precisa, acima de tudo, dar visibilidade às minorias e promover a inclusão do terceiro setor dos movimentos sociais" afirma.

Analisando esta matéria de Wellton Máximo repórter da agência Brasil, nos deparamos com uma questão bem comum na televisão brasileira. A guerra interminável das audiências, os preços absurdos de veiculação de comercias, e a qualidade da programação que causa sérios riscos na formação de uma nova geração no Brasil.
Por mais que se discuta sobre o assunto, medidas sérias nunca são tomadas. Por último a obrigação da exposição de uma faixa nas programações que definem a partir de qual idade pode se assistir a programação. Medidas simples para um problema tão grande. Ao mesmo tempo em que se estimula o consumo desenfreado de produtos, também são ditados padrões de beleza, a TV pública se usada corretamente pode usar da cultura como aliada, para estimular o consumo consciente e saudável de suas propagandas.

Falar de TV pública para 180 milhões de brasileiros alucinados por televisão, não é nada fácil. Ainda mais quando uma parcela mínima considera e entende alguma coisa, quando se fala de estatal e privada. Será que todo este esforço para acabar com o monopólio comercial das grandes emissoras do país valerá a pena, quando temos um povo ainda tão desinformado? Enquanto muitos lutam para trazer a informação clara e precisa para a população, outros ganham fortunas em cima da ingenuidade da grande massa populacional. O pior de tudo que o próprio povo vem bancando as viagens caras, e carros de luxo de muitos diretores de TV que passam informações manipuladas para o telespectador. Enquanto um programa cultura atinge uma porcentagem baixa de telespectadores, programas de reality show alcançam picos de audiência maiores que os jogos da seleção, em época de copa do mundo.

A TV pública vem para trazer a população informação sem manipulação dos fatos, a própria rede aumentará a cultura e a inteligência de quem não tem condições de aprender por outros meios. É um fator relevante a sua inserção nas freqüências de TV, e um marco histórico para um país de informações tão distorcidas.
Claro que a TV pública tem que ser imposta no mínimo de tempo possível, mas se torna preocupante que depois de tanta luta o próprio povo não valorize o que levou anos para regulamentar, e assim ficar sem apoio e sem renda. E mais quais seriam as parcerias com o atual governo para se investir numa rede pública, que tipo de verba seria investida, já que não se ganha com os eixos comerciais? Será que um governo cheio de segundas intenções investiria em algo que não lhe gerasse frutos?
É um dever do governo também, auxiliar em sua implantação já que a rede traria grandes melhoras em várias questões públicas e sociais do país. É hora de o povo lutar por aquilo que é seu por direito, e colocar dentro de sua casa, cultura e educação para sua família, já que grande parcela de pais deixa seus filhos em frente aos aparelhos enquanto exercem suas funções em casa.

Quem sabe uma ajuda, para a contenção da marginalidade, do grande tráfico, e dos golpes políticos. Acho que se for implantada nesta década, vem a trazer benefícios em um momento crucial para o nosso desenvolvimento.


Ben-Hur Scheidt 16/10/2007

Acessos

Search