Tuesday, 19 August 2008

Se todas as pessoas fossem como nós

Passamos a vida inteira apaixonados
tentando reproduzir em forma de vida humana
todo o amor que exalamos, mostrando que o amor
é um conjunto de mente, caráter e carne.
É claro que muitos ainda não acreditam nisso,
alias, eles tem toda razão,por que hoje em dia
não é fácil saber o que é amor de verdade.

Na constante evolução do mundo amar
virou um comércio, conquistar um simples jogo,
e os resultados geralmente não muito atrativos.
Por isso tanta gente desacreditada e chorando
pelas injustiças e provas que a vida traz,
essas que nos deixam tão pra baixo de vez em quando.

Dizem que passamos um terço da vida dormindo,
ás vezes parece que dormimos desde o nascimento,
por que de vez em quando tudo que mais precisamos
não passam de sonhos distantes da concretização.

Parei pra pensar se os melhores dias
das nossas vidas, realmente não foram meras
utopias criadas pela nossa própria imaginação.
Já pensaste nisso?
E numa viagem alucinante comecei a lembrar
de velhas coisas que já tínhamos vivido. ( risos)
Cheguei a uma conclusão,
não há ninguém como nós amigo.

Não há ninguém que acredite que
essas poucas palavras podem mudar o mundo,
mas eu sei que nós acreditamos
por que as nossas palavras já fizeram
diferença pra muita gente.

Sabe hoje eu percebi uma coisa,
somos tão nobres quanto loucos.
Por que ainda acreditamos que
o amor move montanhas,
mas nunca vi ninguém tirar o Everest do lugar.

Dizem que ele rompe barreiras,
mas não foi ele que derrubou o muro de Berlim.
Diante de todos esses fatores
não acha que somos loucos ainda em acreditar?
Será que o amor não existe?
Ou as pessoas não sabem amar?

Bem que dizem que a linha da loucura
e do amor são próximas demais.
Basta tropeçar numa pra cair na outra.
Mas sabe uma coisa, amar não nos custa nada
e como dizia Tim Maia em uma de suas melodias
“Eu só quero amar”.

Mesmo diante de todos esses fatos contrários
nos negamos a desacreditar, pois sabemos que o amanhã
mostrará mais coisas do que esperamos,
mesmo amanhecendo todos os dias de olhos fechados.
Viu a loucura que é isso?

Passamos a vida inteira aprendendo a ser gente de verdade,
aprendemos bons modos, entramos na aula cedo, saímos tarde,
falamos línguas, nos atualizamos com a tecnologia,
aprendemos histórias e lições para passarmos pra filhos e netos.
Mas amar quem nos ensina?

Cada um tem uma maneira louca e genuína de amar,
um segredo moldado em cada coração.
Por isso muitos dizem não entender o amor,
porque ele é complexo demais.
Não há explicação, nem escola,
por que você não tem escolhas,
ele simplesmente acontece.

Passamos dias preocupados com o que falar,
como provar que realmente amamos,
o que presentear, chocolate, perfume?
Quando um simples olhar e um e bombom amassado
expressam toda a delicadeza do sentimento,
talvez algumas palavras numa carta perfumada
fazem ás lágrimas surgir, essas coisas sim,
expressam toda a sinceridade do nosso coração.

E sabe mais meu caro amigo,
lhe escrevo isso não pra lhe consolar,
mas como meu desabafo por corrermos juntos
de forma contrária no mundo,
expressando realmente o que sentimos,
e amando pessoas que talvez
nem se importem com a gente.

E como último pensamento dessa crônica noturna,
farei uso de uma frase clichê, mas que representa
um pouco de todas as fases que passamos na vida.

“Não há momentos ruins que durem pra sempre,
e os bons demais também não durarão uma eternidade”


Ben-Hur SCheidt

Acessos

Search