Saturday, 30 January 2016

Surfando no deserto

 Saí de Londres numa sexta a noite, primeira vez que viaja para o Marrocos. Um vôo direto para Marrakech. Na verdade eu estava em busca do litoral do país, ouvi dizer que era muito bom para a prática do surfe e as paisagens surreais. Aluguei um carro assim que cheguei no aeroporto, e caí na estrada sentido litoral, eu dirigia um micro carro, sem ar-condicionado, (que é artigo de luxo em Marrocos), era noite e o calor avassalador, cerca de 260 quilômetros entre uma cidade e outra,  o carro parecia mais um forno do lado de dentro, a tempestade de areia com um vento quente do lado de fora impossibilitava abrir as janelas, me senti no Sahara, que verdade não estava muito distante do percurso, mas depois de muito calor e muitos sinais em língua arábica, cheguei ao destino. 

Por volta das 7 da manhã cheguei a cidade de Agadir, uma neblina cobria o mar que aos poucos foi dando espaço para a imensidão do azul. Eu vi um aeroporto na cidade de Agadir, onde parei pra tentar achar alguém que falasse inglês e pedir informação de como chegar no meu hostel. Foi aí que descobri, que havia vôos diretos de Londres até a costa do Marrocos. (Eu devia estar bêbado, quando comprei as passagens aéreas pra Marrakech), enfim fiz aquela jornada inteira de carro e calor dos infernos em vão. 

Pegando as certas informações, logo a frente cheguei a pequena vila de Taghazhout, eu havia reservado algumas noites num hostel já indicado por amigos e não me decepcionei com as instalações e a recepção. 

Conhecer a costa Marroquina pode ser complicado e perigoso se não tiver um guia, então achei melhor comprar um pacote de surfe guiado, onde os guias locais te buscam no hostel, e você divide um carro com uma galera que também fez a reserva, eles já sabem dos melhores pontos e melhores horas pra surfar, te levam direitinho e te dão todas as dicas que você precisa pra desfrutar do melhor do seu passeio, além disso o hostel providencia alimentação pra você levar, pelo fato de não encontrar muitos lugares pra comprar comida, é tudo muito rústico lá, então se você for daquelas pessoas cheias de onda, cheias de manias, talvez esse não seja o melhor destino para você.  

No outro dia de manhã levantei cedo, conheci um brother do País de Gales, uma galera do Canadá e um pessoal da Austrália, estavámos num comboio de 4 carros, descemos a caminho da vila de Imsouane, cerca de 2 horas do hostel onde eu estava ficando, os guias nos disseram que rolavam muitas ondas boas. Imsouane é uma vila de pescadores, chegamos pela manhã ainda quando eles retornavam da pesca, com cerca de três dólares compramos quase cinco kilos de sardinha, já pensando no almoço. 

O mar parecia calmo, na verdade algumas marolas, pra mim era mais uma lagoa, perguntei para um dos guias se tinha algum outro ponto que tivesse rolando onda, eu ja estava inconformado. Dirigimos cerca de duas horas e meia, um calorão, uma paisagem desértica, somente camelos e areia, pra chegar no local e não encontrar nada. 

Um dos guias nos disse pra esperarmos cerca de duas horas, enfim, eu já desiludido com o surfe naquele local, busquei alguns gravetos, juntei algumas pedras e acendi um fogo, comecei a assar as sardinhas que havíamos comprado dos pescadores locais, a galera reuniu em volta, os guias nos trouxeram aqueles tradicionais pães Marroquinos, começamos a comer com peixe, me senti nos tempos das parábolas bíblicas, a comida a paisagem e a língua local, tudo combinava. 

Duas horas se passaram, eu já descansava embaixo do guarda-sol, quando eu escuto um dos guias gritando ¨- Look this ¨, eu olhei ainda meio sonolento pra dentro do mar e pude ver as linhas se formando no horizonte, uma pequenina quebrava na areia, depois veio a segunda, a terceira, eu não podia acreditar, o mar se tornava agitado, as linhas se formavam geometricamente, e as ondas começaram a quebrar lá dentro, uma atrás da outra. 

Pulei na água com tudo, esqueci que apesar do calor, a água era meio gelada, mas suportável, foi o suficiente pra dar aquela acordada. Surfamos ali por cerca de 4 horas, água geladinha embaixo, o sol rachando em cima, e ondas  sem parar.  

No final da tarde as ondas ainda rolavam, porem um pouco menores, sentamos todos na areia, todo mundo do grupo parecia ser super gente boa, alguns com dificuldades de se comunicar tentavam contar as ondas que pegaram, a risada rolava solta, terminamos de comer as sardinhas, o pôr do sol dando um show, na verdade foi a  primeira vez que vi o sol se pôr no mar. Um verdadeiro espetáculo, e assim entendi que as algumas coisas que acontecem em nossa vida, são como as ondas no Marrocos, têm dia e hora marcada.  


Dicas: Se você está pensando em viajar pro Marrocos, aqui vai algumas dicas. 

1- Câmbio
Dirham é a moeda local, muito em conta em relação ao real, R$100 te dá cerca de 250 Dirhams, você pode comprar uma pizza tamanho grande com 25 Dirhams, ou cerca de R$10. 

2- Onde ficar 
Se você for pro litoral, a cidade de Agadir possui hotéis de luxo, cinco estrelas, frente ao mar, bons restaurantes, e facilidade de se comunicar em inglês. Se for um passeio mais romântico, estilo lua de mel, ou mesmo família, vale muito a pena no bolso, ainda mais nessa época em que Euro, Libra e Dólar estão em alta. 

Se você está indo num estilo mais aventura ou mochileiro, sozinho ou com amigos, vale muito a pena checar os hostels da vila de Taghazout. As diárias ja incluem cafe da manha, lanche da tarde e janta, nos finais de semana eles promovem uma festa de integração dos hostels, onde você conhece uma galera jovem que está viajando também. Eles nao vendem bebidas alcoólicas, mas voce pode trazer sua própria bebida, rola um churrasco estilo Marroquino, e muita musica da cultura local.  Surf Maroc Hostel, L´Auberge são duas boas opções. 

3 - Onde surfar 
Geralmente se estiver com sorte, poderá encontrar ondas na praia pertinho dos hostels, existe alguns pontos que você pode ir até caminhando, outros tem que ser por meio de um translado oferecido nos hostels ou carro alugado. Alguns pontos que voce nao pode deixar de ver, eles são: Killer Point, La Source, Devil Rocks, Mysteries, Anchor Point, Hash Point, Panorama Beach, Banana Beach, e alguns outros. 

4 - Onde alugar
Geralmente os hotéis e hostels providenciam serviço de aluguel de pranchas, equipamentos e também carros, nem todos, mas alguns providenciam seu translado do Aeroporto até o seu hotel. 

Acessos

Search